quarta-feira, 23 de maio de 2007

Preciso de ti



Preciso de ti agora
Não suporto essa demora
Minha alma implora.

Preciso de ti, veja.
Meu corpo te deseja;
Minha boca sua boca almeja.
Minha intimidade lateja.

Preciso tua voz ouvir
Encanta quando sorri
não tenho para onde ir
Quero ir para perto de ti.

Meu bálsamo de cura
É sua língua que minha língua procura
Abre-se nessa união de forma tão pura
A porta para amorosas loucuras.

Tenho saudades dessas loucuras de amor
Preciso de ti, não importa para onde vou;
O que importa é sentir o teu sabor
Pois minha vida cinza precisa de mais cor.

Preciso de ti, dos teus beijos.
Preciso do teu toque, seus desejos.
Pois também desejas, no teu olhar eu vejo.

Preciso de ti e de mim, tu precisas
Em cada palavra, cada olhar tu confessas!
Confissão sutil, nas nossas conversas.
Diga que me ama com coragem e sem pressa.

Vamos o amor saborear
Venha...Venha me amar.
Ao acabares de confessar.
Entrega-se ao meu pulsar;
E aceite a felicidade que tão perto de ti está.

Joana Darc Brasil – Terça, 22/05/2007 – 10:57

Um comentário:

Joana Darc Brasil disse...

Oi Astrid!
Este poema foi feita num momento de saudade! Onde o "eu-poético" sente a necessidade da pessoa amada.Grando Abraço!
JOana DArc Brasil